O que é Tabela Simpro e tudo que você precisa saber

O que é tabela Simpro

Você sabe o que é Tabela Simpro? Sabe como aplicá-la em seu faturamento? E como consultar sua atualização?

Temos tem a famosa questão: Essa tabela de fato está em desuso?

Neste artigo respondemos essas dúvidas e destacamos as principais informações sobre o que é Tabela Simpro. Por isso, trouxemos tudo que você precisa saber para trabalhar com esse balizador.

Ou seja, continue a leitura para saber mais…

O que é Tabela Simpro?

Antes, saiba que a Tabela vem de uma Revista.

A Simpro é uma revista Paulista da área da saúde que destaca as informações ligadas a saúde suplementar. Sua circulação é bimestral contendo as principais notícias de relevância do meio.

Por mais que seja uma revista, ela contém versões físicas e online. Contudo, o diferencial da Simpro é a publicação de uma tabela que contém informações (códigos e preços) de materiais e medicamentos de laboratórios parceiros. Que é a nossa querida e polêmica Tabela Simpro!

O mercado da saúde suplementar em sua grande maioria norteia suas negociações baseados nos valores publicados nesta tabela.

Ela descreve os principais procedimentos e medicamentos utilizados durante os atendimentos médicos hospitalares. No entanto serve também como referência para a tarifação destes procedimentos que serão faturados mais tarde.

Além disso, a Tabela Simpro determina um padrão a ser seguido, o TUSS – Terminologia Unificada da Saúde Suplementar. Ao mesmo tempo o Tuss determina como cada item deve ser descrito em uma Guia de Faturamento Hospitalar.

O que movimenta o negócio hospitalar na saúde suplementar são os custos de procedimentos, materiais e medicamentos. Portanto é extremamente importante a organização e padronização no faturamento destes itens, seguindo as regras e normas propostas, neste caso da tabela Simpro.

Em entrevista para o Canal GesSaúde o Diretor Jurídico da Associação dos Hospitais e Serviços de Saúde do Estado da Bahia (AHSEB) Agnaldo Neto a Tabela Simpro é considerada um balizador para a saúde suplementar.
Fonte:

Pois ela determina:

• Código – Padronizando a identificação de produtos no ato do faturamento, facilitando a comunicação entre operadores, prestadores e fornecedores.

• Valor – Apresentando precificação exata de cada material, além de nortear as negociações entre operadores e prestadores de saúde.

Curiosidades sobre a Tabela Simpro:

Para trabalhar com esse balizador é interessante conhecer sua origem, principalmente pelo fato de ainda existir tabelas novas que são criadas embasadas nas tabelas anteriores.

Conheça um pouco do cronograma e acompanhe a linha do tempo da história das tabelas de precificação e códigos.

  • 1964: Criação da primeira tabela de códigos e procedimentos escrita por médicos da época, tinha 2040 códigos que eram revisados periodicamente.
  • 1990: Tabela de Honorários Médicos (THM) comumente conhecida como Tabela AMB-90 (Associação Médica Brasileira) desenvolvida em um cenário da nossa história econômica em que passávamos pelo Plano Collor.
  • 1992: AMB-92 veio como uma atualização definitiva da sua tabela antecessora a AMB-90 e foi revogada em 2003.
  • 1993: Criação da tabela proposta pela Ciefas (Comitê de Integração de Entidades Fechadas de Assistência à Saúde)
  • 1996: Lista de Procedimentos Médicos ou simplesmente LPM-96 em sua primeira e principal edição, e que foi extinta em 2004.
  • 2003: Tabela Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) ano em que teve sua primeira edição e ainda é fortemente utilizada até hoje.

Estas tabelas são diferenciadas de acordo com a descrição de valores, algumas publicadas com valores de medicamentos e procedimentos em “porte” onde é necessário a conversão dos valores para o real.

Já outras tabelas como a Ciefas, por exemplo, que foi publicada com a precificação na moeda vigente.

Houveram exceções como as Tabelas AMB-90/92 que foram precificadas em CH (Coeficiente de Honorário) onde o faturista precisava converter o valor para realização dos faturamentos, neste caso conversão para o real.

Outras tabelas importantes:

Sobretudo, além deste histórico são disponibilizadas ao mercado outras tabelas que servem de referência para negociações específicas, são elas:

 

Como Funciona a Tabela Simpro

Embora seja uma tabela, nem sempre seu uso é simples. Portanto vamos exemplificar para você entender melhor o que é Tabela Simpro e como ela é aplicada no mercado da saúde suplementar:

  • Um laboratório X desenvolveu um material;
  • Esse laboratório em parceria com a Simpro determina o código de referência o preço médio deste material;
  • Estes dados são inseridos na Tabela Simpro;
  • Posteriormente a Revista Simpro que possui edições bimestrais veicula esta tabela;
  • Em seguida os departamentos financeiros dos hospitais atualizam essas informações em suas soluções de faturamento;
  • A partir daí em todos faturamentos em que este medicamento for mencionado usa-se a nomenclatura de acordo com o código determinado pela tabela;
  • O valor faturado para este material segue o valor estabelecido e publicado na tabela Simpro;
  • Padronizando assim a comunicação entre operadora e prestadora através dos códigos de referência pré-estabelecidos.
  • Em caso de alterações de valores, versões, composição, etc do medicamento em questão, uma nova atualização da tabela é publicada pela Simpro, com um novo código para atualização.

Neste exemplo é considerado contratos em que a negociação de valores segue à risca os valores publicados pela Simpro. Contudo, existem casos que os valores são negociados internamente entre operadoras e prestadoras de saúde, e isto é previsto em contrato.

Vale ressaltar também que no exemplo acima foi utilizado a precificação de um medicamento, porém a Tabela Simpro disponibiliza orientação de preços e códigos para procedimentos e materiais hospitalares.

Faturamento por tabela contratual

As próprias operadoras de saúde definirem suas tabelas para faturamento vem se tornando algo cada vez mais comum. Porém estes casos são acordados em contrato e o valor geralmente se aproxima do valor praticado nas principais tabelas de precificação.

Mas porque isso acontece?

Não é segredo para ninguém as tabelas de grandes veículos estão em declínio. Isso vem acontecendo pois alguns fornecedores deixaram de enviar informações ou atualização de informações para composição destas tabelas.

Sem estas informações os faturamentos começam a deixar de seguir um padrão pré-estabelecido, o que pode acarretar em um aumento no volume itens glosados.

Justamente por isso em algumas negociações entre operadores e prestadores começou-se a adotar uma tabela própria. Isso é feito principalmente para determinar que o preço de cobrança de cada medicamento/procedimento seja praticado de forma mais competitiva.

As adoções de tabelas próprias também são válidas para OPME (Órteses, Próteses e Materiais Especiais) que em sua maioria têm valores calculados pontualmente.

As definições de valores praticados em tabelas pré-estabelecidas em contrato, além de basear-se nas tabelas já existentes também podem ser baseadas nos valores de nota fiscal de cada produto.

Para aprofundar nesta discussão, recomendamos que você veja o vídeo do canal GesSaúde no YouTube:

 

 

A renovação contratual é o momento ideal encontrar equilíbrio em seu faturamento. É neste período que é possível adotar novas tabelas como padrão, substituindo aquelas que não atendem à sua demanda atual.

Quem utiliza a Tabela Simpro?

Agora que você já sabe o que é Tabela Simpro e como funciona seu processo, saiba quem a utiliza.

Desse modo, você pode estar se perguntando: “Como a utilização dessa tabela se aplica a minha gestão?

De fato, a consulta e utilização, dos dados desta tabela são comumente utilizados por profissionais do setor de faturamento, em especial daquelas instituições que adotam a tabela Simpro em seu contrato de prestação de serviço.

Todavia, é de grande importância o conhecimento dos dados contidos nesta tabela, que é decisiva para os departamentos financeiro da saúde suplementar. Sendo relevante até mesmo para a avaliação dos valores praticados nas tabelas que sua instituição utiliza.

Mas se este não é o seu caso e você utiliza diariamente os dados da Tabela Simpro para realizar o faturamento dos seus recebíveis, você pode precisar otimizar este processo.

Para isso verifique se sua solução financeira possui integração para as principais tabelas; e disponibiliza upload das suas atualizações.

Umas das soluções disponíveis no mercado é o Faturamento Eficiente.

Como Consultar a Tabela Simpro

Como vimos até aqui você pode saber ao certo o que é Tabela Simpro. Confira agora como ela se aplica a sua rotina de trabalho através de diversos canais:

Revista Simpro Hospitalar

Em sua versão impressa com edições bimestrais.

Suporte Simpro

Apoio a parceiros, assinantes e fornecedores.

Portal TUSS

Sistema descritivo dos materiais, medicamentos, procedimentos…

Revista Simpro Hospitalar Virtual

Disponibilização dos conteúdos da revista impressa na plataforma online.

Na prática

Até aqui falamos um pouco sobre funcionalidades e história da Tabela Simpro.

E para você que ocupa um cargo de gestão, tenha em mente que o conhecimento mínimo da Tabela Simpro é importante nas tomadas de decisões do seu departamento.

Portanto, para facilitar seu entendimento vamos trazer um exemplo prático de como esta tabela é utilizada na rotina de um faturista.

Como o próprio nome diz, a Tabela Simpro é disponibilizada nos canais de veiculação em forma de tabela, até mesmo para tornar sua leitura visualmente legível.

Porém ela também é disponibilizada em diversos formatos em sua versão digital, xlms, cvs, xml (formatos de arquivo) que facilitam o upload das informações na solução de faturamento das instituições hospitalares.

 

O que é Tabela Simpro

 

Na imagem acima é possível visualizar trecho da versão online da Tabela Simpro, publicada na Revista Simpro Edição 125.

Como Aplicar a Tabela Simpro no Faturamento

Espero que até aqui as informações estejam claras para você.  Agora vamos passar para o próximo passo, que é a aplicação das informações da Tabela Simpro em um faturamento.

Para isso precisamos revisar algumas nomenclaturas:

• Tabela Simpro = Referencial de códigos e valores para um faturamento

Tabela TUSS = (TUSS – Terminologia Unificada da Saúde Suplementar) Padronização de nomenclaturas (consulte a Tabela TUSS proposta pela ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar)

Padrão TISS = (TISS – Troca de Informação em Saúde Suplementar) Modelo padronizado de comunicação entre operadoras e prestadores de saúde

Então, seguimos para um exemplo com um modelo de faturamento hospitalar simples:

  • Após todo o processo de atendimento hospitalar de um paciente;
  • Tendo em mãos o prontuário devidamente preenchido e todas as autorizações do plano de saúde do paciente, é hora de gerar a Guia de Faturamento;
  • O faturista realiza a consulta na Tabela Simpro dos procedimentos realizados pelo paciente;
  • Todos os procedimentos e insumos utilizados são listados na Guia de Faturamento através do código TUSS;
  • São conferidos os valores praticados pela Tabela Simpro;
  • Após realizados os cálculos e fechado o faturamento esta Guia de Faturamento e incluída em um Lote de Faturamento que contém todas as guias de faturamento de um período específico;
  • Posteriormente este lote de faturamento uma vez criado no Padrão TISS é transmitidos para operadora de saúde para realização de cobrança;

Contudo, este é apenas o trecho de uma das etapas de um faturamento hospitalar, caso você queira revisar seu processo de faturamento te indicamos a leitura do Guia Completo de Faturamento Hospitalar.

E para melhorar a visualização deste processo veja na imagem a seguir um modelo simples de faturamento que utiliza a Tabela Simpro.

Faturamento baseado em valorização

A grande maioria das tabelas adotadas pelo Mercado Financeiro Hospitalar trabalham com Método de Valorização, que pode se dar por diversas formas como por exemplo:

  • Valorização de Tempo de execução de procedimento;
  • Intervalo de tempo para administração de medicamentos;
  • Período de internação;
  • Cobranças proporcionais de cada profissional envolvido no processo hospitalar;

Essas valorizações precisam ser observadas e calculadas com máxima atenção e critério pois são decisivas, podendo alterar até 70% para mais ou para menos o valor final e um faturamento.

Agora que você já aprendeu como a Tabela Simpro é determinante para o mercado e sabe como os profissionais de faturamento trabalham utilizando ela, é hora de colocar na prática seus conhecimentos.

Existem também uma outra tabela bastante utilizada no mercado financeiro hospitalar, e que ser de base pra muitos contratos de prestação de serviço, estamos falando da tabela Brasíndice:

Brasíndice, a origem:

Criada a mais de 45 anos, a Editora Andrei é responsável pela reprodução da Revista Brasíndice que tem objetivo de atender o corpo clínico de instituições de saúde, estudantes e pesquisadores em todo o país.

O objetivo central da revista, que também possui um Portal Eletrônico e de agregar conhecimentos compartilhados entre profissionais, além de noticiar é informar sobre os avanços do mercado.

Produzida no estado de São Paulo a revista tem edições quinzenais, e apresenta temas como:

  • Legislação
  • Farmácia e Medicina
  • Glossário
  • Artigos Hospitalares
  • Equipamentos
  • Mercado Farmacêutico

Além de trazer em suas edições a Tabela Brasíndice ,que reúne precificação de medicamentos com objetivo de servir de referencial para contratos de prestação de serviços hospitalares.

Com o foco em precificação de medicamentos, o diferencial da Tabela Brasíndice é de definir os então conhecidos PF – Preço do Fabricante e o PMC – Preço Máximo ao Consumidor.

Vale ressaltar que não somente na Tabela Brasíndice, mas em todas as tabelas de precificação os valores estabelecidos não consideram as alíquotas ICMS praticadas em cada estado, sendo necessário efetuar este cálculo no ato do faturamento.

Por ser de grande circulação e de periodicidade constante, a Tabela Brasíndice é considerada em diversos contratos de prestação de serviços hospitalares como referencial de preços.

Por mais que seja de grande aceitação, esta não é uma tabela oficial. Isso ocorre  por não ser definida em conjunto com os órgãos públicos reguladores.

Porém, a Anvisa determina com o auxílio da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) determina mensalmente o Preço Máximo ao Consumidor para compra de medicamentos.

Este outro cenário contempla a comercialização de medicamentos entre farmácias e consumidor final, diferente da Tabela Brasíndice que visa as negociações entre Farmacêuticas e Hospitais mediados pelas operadoras de saúde através do Preço do Fabricante.

Brasíndice e CMED

Pode parecer que as tabelas Brasíndice e o CMED descrevem o mesmo conteúdo, porém o que muda entre elas é o consumidor final das informações nelas contidas.

Enquanto uma é voltada para a administração de medicamentos e materiais dentro de uma unidade hospitalar, a outra tem seu foco no comércio varejista.

Tudo isso porque em 2003 entrou em vigor da Lei 10.742 que embasou a Resolução Nº 3 da CMED e que determina que o Preço Máximo ao Consumidor – PMC deve ser o teto de preço a ser praticado pelo comércio varejista.

Enquanto o Preço do Fabricante – PF deve ser o preço praticado para medicamentos administrados em hospitais e unidades de saúde.

No comunicado nº 10 de 2010 da CMED a fala do então secretário executivo Luiz Milton Veloso Costa, esclarece a motivação da determinação.

“…a prática da cobrança do Preço Máximo ao Consumidor pelos hospitais e clínicas é procedimento contrário à legislação vigente no país e pode afetar de forma onerosa, em última instância, o consumidor, na cadeia de consumo de medicamentos, por ser obrigado a arcar com custos mais elevados de preços desses produtos utilizados em hospitais e clínicas associadas à agravada ou de preços de mensalidades de planos de saúde que efetuam os pagamentos dos medicamentos, em virtude de transferência de custos.”

Com isso se justifica o fato do PMC servir de balizador somente para comercio varejista e o PF é utilizado para negociações entre operadores e prestadores de saúde.

 

Vamos relembrar o que você aprendeu até aqui?

  • O que é tabela Simpro
  • Histórico de adoção de tabelas pelo Faturamento Hospitalar
  • Outros modelos de tabelas adotadas pelo mercado
  • Como funciona a Tabela Simpro
  • De que forma acessar a Tabela Simpro
  • Tabela Simpro aplicada na prática em um modelo de faturamento
  • Modelos de faturamento baseado em valorização
  • Com a tabela Brasíndice também é utilizada em negociações

Agora, me conta! Qual a sua opinião sobre a Tabela Simpro e sua aplicação? Aliás, você tem enfrentado alguma dificuldade?

Comente aqui embaixo!